Já dizia Picasso: "um quadro só vive para quem o olha”

Se você não é um fã de museus, talvez não entenda por que as pessoas encaram pinturas por minutos a fio. E tudo bem: você tem todo o direito de gastar seu tempo como bem entender.

Só que o valor da arte enquanto expressão do caráter humano é inegável. E saiba que em vez de encarar pinturas por minutos a fio, na verdade as pessoas estão sendo confrontadas, confortadas ou questionadas. E para afastar a inércia e a mesmice, nós temos pôsteres e releituras de quadros em todas as paredes. Eles nos confrontam, nos confortam, nos questionam. E também nos dão algumas lições:

monalisa
1. Não se prenda aos detalhes o tempo todo
O detalhismo é uma qualidade admirável e necessária, mas não adianta se gabar de todo seu conhecimento davinciano em sfumato. É verdade: os detalhes fazem muita diferença, mas no fim das contas é a composição final que precisa estar bem amarrada. Somente a partir dela é que alguém se sentirá (ou não) estimulado a se debruçar, admirar e se aprofundar sobre o que foi feito.

magritte
2. Encare cada tarefa como algo divertido – e suculento
Magritte tinha um jeito bem peculiar de não retratar a realidade. Suas obras nem sempre parecem fazer sentido, mas seu traço firme transmite uma firmeza hipnotizante. Quando você se deparar com algo aparentemente indecifrável, por que não estender a mão para tirá-lo da frente – ou, melhor ainda: dar uma bela mordida? E se rolar um bloqueio criativo, ter umas peças de Lego por perto pode te ajudar a (re)criar uma obra de arte.

dontpanic

3. Don’t panic
Sim, nós usamos Douglas Adams para confrontar Edward Munch. Nós escolhemos O Grito mais como um lembrete do que não fazer. E como gostamos de um bom choque de ideias (que gera a faísca que nos impulsiona pra frente), penduramos o dizer mais popular da primeira década do século 21 não porque ele é o óbvio oposto do quadro desesperador, mas porque seu contexto original (o ambiente hostil e preocupante na Inglaterra durante a Segunda Guerra Mundial) tinha como propósito encorajar os cidadãos ingleses a seguir em frente mesmo diante de uma situação tão adversa.

O que inspira você no seu ambiente de trabalho?